quinta-feira, 24 de junho de 2010

Nariz Vermelho, Olhos Negros



Sou um palhaço com a ponta do nariz vermelho
E as velhas olheiras negras

Sou um palhaço que não se importa em fazer rir
Mas ainda assim não deixo de ser palhaço

Palhaço que abraça...
Palhaço que ama...

Palhaço que não suporta o picadeiro
Palhaço que tem horror a zona

Tenho o nariz que faz charme e chama olhares
Tenho os olhos que assustam e testam

Olhos tristes
Olhos borrados de lágrimas

Olhos que não dormem a séculos
Em constante vigilia em busca de anjos que nos visitam de madrugada

Não creio estar errado em me chamar palhaço
Mas não creio também que esteja certo

Palhaço que acha que é anjo
Palhaço que clama a proteção dos deuses

Palhaço que é poeta
Poeta que é palhaço

Palhaço sujo de tinta
Palhaço que não tem medo de se borrar e ficar feio

Muitos nomes e muitos modos de ser a mesma coisa

Mas enfim...

Que se inicie a palhaçada?

2 comentários:

  1. "Quando nasci veio um anjo safado
    O chato do querubim
    E decretou que eu estava predestinado
    A ser errado assim
    Já de saída a minha estrada entortou
    Mas vou até o fim..."

    ResponderExcluir