terça-feira, 26 de junho de 2012

Entregar-me-ei!


A alma,
tão efêmera.

O amor,
tão incerto.

O mundo,
tão belo.

A existência,
tão delicada.

Entregar-me-ei!

E que os deuses acolham com carinho,
este poeta contemplativo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário