sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O maniqueísmo no melhor dos mundos.



Analisemos então a obra de Voltaire “Cândido ou o Otimista” a partir do dualismo proposto pelo maniqueísmo. O maniqueísmo de modo resumido pode ser tratado como a divisão entre bem e mal, o personagem Martinho se diz o ultimo dos maniqueístas apesar de sua visão de que seria infeliz estando aqui ou estando ali, nota-se no comportamento da personagem uma variação quanto ao pensamento maniqueísta, pois tudo pode ser bom ou pode ser ruim, pois existe um Deus bom e um Deus ruim, ambos os lados da moeda estão em jogo na visão maniqueísta.
O melhor dos mundos é um mundo falacioso, provindo de uma mente infantil, infantil no sentido da falta de experiência do filósofo Pangloss (ou Leibniz), pois a crença de que este é o melhor dos mundos até pode ser justificada, diante da possibilidade de não se existirem outros mundos além do qual vivemos, nesse caso vivemos sim no melhor dos mundos, entretanto é muita inocência acreditar que esta tudo do melhor modo possível no melhor dos mundos possíveis. Temos então uma posição devidamente conformista dos fatos, um modo de fuga da própria responsabilidade diante da própria existência, a qual tem possibilidade de ser boa ou má, tudo depende do próprio ser que toma ou não as rédeas do seu destino. Candido por mais de uma vez, teve a opotunidade de tomar para si as rédeas de sua vida, como em sua passagem com Cacambo por El-Dorado, em que ele volta absurdamente rico e vai gradualmente perdendo suas riquezas devido a sua inocência e sua fé de reencontrar Cunegundes e mostrar a Martinho como tudo esta caminhando para o melhor possível, pois não pode ser de outro modo que não o melhor, não é necessário narrar o quanto Martinho estava correto em sua visão e deixou acontecer toda a sorte de acontecimentos com Candido que se deixou levar pela fé na filosofia de Pangloss.
O maniqueísmo no sentido ateu da palavra é uma boa causa primeira e ultima a toda sorte de acontecimentos nesse ou no melhor dos mundos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário