sexta-feira, 23 de agosto de 2013

De um Gentleman a uma Piranha aleatória.


As vezes,
mas apenas as vezes.

Quase sinto saudades dessa sua boca gelada
e dessa língua pontuda
tentando tirar algo de dentro de mim,
enquanto eu calmamente
procuro algo nesse teu quarto tão usado
com uma intrigante luz por entre os vãos da telha.

Mas minha querida amiga.
Você quebrou meu coração,
por muito menos eu já teria quebrado o seu nariz.

Então eu escarro com nojo teu nome
limpo a boca com conhaque
e tudo bem,
sua piranha estúpida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário