quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Cely tem razão, pensei enquanto baforava fumaça para o alto na estação de trem. Merda de calafrio. Precisamos um do outro, de fato. Mas eu tenho orgulho do alcoólatra que ela me tornou. Então na verdade, não preciso de ninguém tanto quanto ninguém precisa de mim. É assim que tem de ser, Cely. Merda de calafrio. Preciso pegar meu trem, dizia eu apagando a chama que ardia dentro do peito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário